Abraham Weintraub: o ministro que odeia a expressão “povos indígenas”

Na reunião ministerial de 22 de abril, cuja divulgação é alvo de disputa judicial entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Sérgio Moro, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que “odeia” a expressão “povos indígenas”.

Weintraub teria dito ao presidente Jair Bolsonaro e seus colegas que repudia a expressão porque todos são “o povo brasileiro”. A informação é da coluna de Rubens Valente, do portal UOL.

A expressão “povos indígenas” é usada há anos por lideranças, organizações indígenas, como a APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil), uma das principais no país, e documentos internacionais, como a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, da ONU (Organização das Nações Unidas).

Que o governo Bolsonaro despreza os povos indígenas já está claro. Que a FUNAI está sendo desmontada, também. Que o ministro do Meio Ambiente está incentivando o garimpo em terras indígenas, também. A novidade, agora, é a “opinião” de quem comanda a pasta da Educação.

O que esperar (mais) de um governo como este?

Reforçamos nosso repúdio não apenas às declarações de Abraham Weintraub, mas ao desmonte que está sendo promovido no país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: