Médicos chineses suspeitam que três recém-nascidos podem ter contraído Covid-19 no útero

Pesquisadores chineses suspeitam que o SARS-CoV-2 possa ser transmitido de mãe para filho através do útero, de acordo com Journal of American Medical Association.

Em um primeiro relatório, médicos do Hospital Renmin da Universidade de Wuhan, em Hubei, epicentro da província chinesa do surto do novo coronavírus, descrevem o caso de uma mulher que deu à luz várias semanas após a aquisição do vírus.

Duas horas após o parto, os exames de sangue revelaram que o recém-nascido apresentava níveis elevados de imunoglobulinas IgG e IgM, que atuam como anticorpos específicos para a Covid-19. Além disso, apresentou uma alta porcentagem de citocinas e glóbulos brancos, produzidos pelo sistema imunológico e podem ser um sinal de infecção.

Na segunda investigação, especialistas do Hospital Zhongnan, também em Wuhan, analisaram amostras de sangue de seis bebês quanto a anticorpos para SARS-CoV-2 e descobriram que dois deles também apresentavam quantidades elevadas de IgM, como no caso descrito acima.

Embora se saiba que as IgGs passam de mãe para filho durante a gravidez, as IgMs são muito grandes para atravessar a placenta. Portanto, existe a possibilidade de o bebê produzir IgM após o vírus atravessar a placenta.

Apesar dos resultados, nenhuma das três crianças suspeitas apresentou resultado positivo para o vírus. Isso significa que ainda não está claro se algum deles foi realmente infectado ou se pode haver outro motivo para a presença de IgM.

Outra explicação que os especialistas consideram é um dano ou anormalidade nas placentas das mães que, de alguma forma, permitiu a passagem dos anticorpos mencionados acima em direção ao organismo de seus filhos.

São necessárias mais evidências
Os autores dos dois artigos destacam as limitações de seus trabalhos, dado o pequeno tamanho da amostra e a falta de mais evidências para corroborar suas conclusões.

Além disso, a partir da análise editorial, eles afirmam que os testes de IgM podem ser propensos a resultados falso-positivos e falso-negativos e, geralmente, não são utilizados para diagnosticar infecções adquiridas no útero.

A equipe de pesquisa está ciente de que “são necessários mais estudos”, mas considera que são dados importantes para “entender as características sorológicas de bebês cujas mães estão infectadas com SARS-CoV-2”.

Fonte: RT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: