No Dia do Planeta Terra, mundo caminha para o caos climático

mudanças climáticas

No mesmo dia em que deveria ser celebrado, o Planeta Terra pede socorro. Apenas nesta semana, nos deparamos com estudos apontando que as emissões de carbono vão disparar e atingir a segunda maior taxa da história em 2021, e, ainda, que os níveis de aquecimento global estão cada vez mais próximos de ultrapassar o limiar crítico de 1,5°C.

Segundo o último relatório da OMM (Organização Meteorológica Mundial), no decorrer de 2020 a temperatura atingiu 1,2°C acima do nível pré-industrial. E a última década foi a mais quente de todas, com 2020 na liderança, que acabou sendo o ano mais quente da história.

“Estamos à beira do abismo”, declarou esta semana o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres.

Os cientistas já documentaram esses impactos das mudanças climáticas (isso quer dizer que já estão comprovados):

  • O gelo está derretendo em todo o mundo, especialmente nos pólos da Terra. Isso inclui geleiras de montanha, mantos de gelo cobrindo a Antártica Ocidental e a Groenlândia e o gelo do mar Ártico.
  • Muito desse gelo derretido contribui para a elevação do nível do mar. Os níveis globais do mar estão subindo 0,13 polegadas (3,2 milímetros) por ano, e o aumento está ocorrendo em um ritmo mais rápido nos últimos anos.
  • O aumento das temperaturas está afetando a vida selvagem e seus habitats. O desaparecimento do gelo desafiou muitas espécies e algumas populações na península ocidental entraram em colapso em 90% ou mais.
  • A precipitação (chuva e neve) aumentou em todo o mundo. No entanto, algumas regiões estão enfrentando secas mais severas, aumentando o risco de incêndios florestais, colheitas perdidas e escassez de água potável.
  • Algumas espécies – incluindo mosquitos, carrapatos, águas-vivas e pragas de plantações – estão prosperando. Populações em expansão de escaravelhos que se alimentam de abetos e pinheiros, por exemplo, devastaram milhões de hectares de floresta nos Estados Unidos.

Outros efeitos podem ocorrer ainda neste século, se o aquecimento continuar.

  • Os níveis do mar devem subir entre 26 e 82 centímetros ou mais até o final do século.
  • Furacões e outras tempestades provavelmente se tornarão mais fortes. Inundações e secas se tornarão mais comuns.
  • Haverá menos água doce disponível, já que as geleiras armazenam cerca de três quartos da água doce do mundo.
  • Algumas doenças se espalharão, como a malária transmitida por mosquitos.
  • Os ecossistemas continuarão a mudar: algumas espécies irão migrar mais para o norte; outros, como os ursos polares, não serão capazes de se adaptar e podem se extinguir.

Estamos destruindo planeta

Os seres humanos – mais especificamente, as emissões de gases de efeito estufa (GEE) que geramos – são a principal causa das rápidas mudanças climáticas da Terra. A quantidade desses gases em nossa atmosfera disparou nas últimas décadas. Na verdade, a parcela de dióxido de carbono da atmosfera – o principal contribuinte da mudança climática do planeta – aumentou 40% desde os tempos pré-industriais.

A queima de combustíveis fósseis como carvão, petróleo e gás para eletricidade, aquecimento e transporte é a principal fonte de emissões geradas pelo homem. Uma segunda fonte importante é o desmatamento, que libera carbono sequestrado no ar. Estima-se que a extração de madeira, corte raso, incêndios e outras formas de degradação florestal contribuem com até 20% das emissões globais de carbono.

Embora as florestas e oceanos de nosso planeta absorvam gases de efeito estufa da atmosfera por meio da fotossíntese e outros processos, esses sumidouros naturais de carbono não conseguem acompanhar o aumento de nossas emissões. O resultante acúmulo de gases de efeito estufa está causando um aquecimento assustadoramente rápido em todo o mundo.

Os efeitos da mudança climática global

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, o fracasso em mitigar e se adaptar às mudanças climáticas será “o risco mais impactante” enfrentado pelas comunidades em todo o mundo na próxima década – à frente até mesmo das armas de destruição em massa e crises de água.

Culpe os efeitos em cascata: conforme a mudança climática transforma os ecossistemas globais, ela afeta tudo, desde os lugares em que vivemos até a água que bebemos e o ar que respiramos.

Clima extremo

À medida que a atmosfera da Terra se aquece, ela coleta, retém e despeja mais água, mudando os padrões climáticos e tornando as áreas úmidas mais úmidas e as secas mais secas. As temperaturas mais altas pioram e aumentam a frequência de muitos tipos de desastres, incluindo tempestades, inundações, ondas de calor e secas.

Esses eventos podem ter consequências devastadoras e caras, colocando em risco o acesso à água potável, alimentando incêndios florestais descontrolados, danificando propriedades, criando derramamentos de materiais perigosos, poluindo o ar e levando à perda de vidas.

Ar poluído

A poluição do ar e as mudanças climáticas estão ligadas, uma aumentando a outra. Quando as temperaturas da Terra sobem, não apenas nosso ar fica mais sujo – com níveis de poluição e fuligem subindo – mas também há mais poluentes alergênicos, como mofo circulante (graças às condições úmidas de climas extremos e mais inundações) e pólen (devido para estações de pólen mais longas e mais fortes).

Mares ascendentes

O Ártico está esquentando duas vezes mais rápido do que qualquer outro lugar do planeta. À medida que seus mantos de gelo derretem nos mares, nossos oceanos estão a caminho de subir de trinta centímetros a um metro mais alto até 2100, ameaçando ecossistemas costeiros e áreas baixas. As nações insulares enfrentam riscos específicos, assim como algumas das maiores cidades do mundo, incluindo Nova York, Mumbai e Sydney.

Oceanos mais quentes e ácidos

Os oceanos da Terra absorvem entre um quarto e um terço de nossas emissões de combustíveis fósseis e agora são 30 por cento mais ácidos do que eram na época pré-industrial. Essa acidificação representa uma séria ameaça à vida subaquática, principalmente às criaturas com conchas calcificadas ou esqueletos como ostras, mariscos e corais.

Pode ter um impacto devastador sobre os mariscos, bem como sobre os peixes, pássaros e mamíferos que dependem dos moluscos para seu sustento. O aumento da temperatura do oceano também está alterando o alcance e a população de espécies subaquáticas e contribuindo para eventos de branqueamento de corais capazes de matar recifes inteiros – ecossistemas que sustentam mais de 25% de toda a vida marinha.

Ecossistemas em perigo

A mudança climática está aumentando a pressão sobre a vida selvagem para se adaptar a habitats em mudança – e rápido. Muitas espécies procuram climas mais frios e altitudes mais elevadas, alterando comportamentos sazonais e ajustando os padrões tradicionais de migração. Essas mudanças podem transformar fundamentalmente ecossistemas inteiros e as intrincadas teias de vida que dependem deles.

E um estudo de 2015 mostrou que mamíferos, peixes, pássaros, répteis e outras espécies de vertebrados estão desaparecendo 114 vezes mais rápido do que deveriam, um fenômeno que tem sido associado a mudanças climáticas, poluição e desmatamento – todas ameaças interligadas. Por outro lado, invernos mais amenos e verões mais longos permitiram que algumas espécies prosperassem, incluindo insetos matadores de árvores que estão colocando em risco florestas inteiras.

Apesar do que os negadores do clima e os apoiadores dos combustíveis fósseis afirmam, não há nada em debate. A mudança climática é uma realidade. O aquecimento do sistema climático é um fato e, desde a década de 1950, muitas das mudanças observadas não têm precedentes ao longo de décadas a milênios. A atmosfera e o oceano aqueceram, a quantidade de neve e gelo diminuiu e o nível do mar.

*Com informações da OMM e NRDC

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Enquire now

Give us a call or fill in the form below and we will contact you. We endeavor to answer all inquiries within 24 hours on business days.