O apagão no Amapá e as lições sobre energia, riscos e soluções

energia-amapa

Depois de mais de 20 dias, foi concluída a instalação do 2º transformador e a energia voltou – por enquanto – no Amapá. Mas todos acompanhamos a situação do estado com angústia, tristeza e o sentimento de que muita coisa está errada.

Além da eletricidade, da água e da comida, faltou também fiscalização, responsabilidade, competência e conhecimento para entender que outras formas de energia não só são possíveis, como são necessárias.

Você sabe por que Laranjal do Jari está entre as poucas cidades do Amapá que não foram afetadas pelo apagão? Porque as comunidades da região foram abastecidas a partir de um sistema de energia solar.

A SS Solar, em parceria com a SMA Solar, instalou um sistema fotovoltaico com armazenamento de energia.

Os sistemas de armazenamento de energia podem ser usados em diferentes aplicações, podendo melhorar a estabilidade da rede, aproveitar a geração fotovoltaica para carregar as baterias ao longo do dia e ainda fornecer energia nos momentos de pico de demanda. Para este tipo de aplicação, a segurança é maior na rede de distribuição, pois diminui incidência de apagões como o que está acontecendo no estado do Amapá”, disse o Pedro Alvez, country manager da SMA Brasil, ao Canal Solar.

O Brasil é um dos poucos países no mundo a receber incidência solar superior a 2000 horas por ano. No nordeste, a incidência média diária varia de 4,5 a 6 kWh.

São números importantes, que colocam nosso país em destaque em termos de potencial solar, e em ótimas condições para investimento em energia solar.

Precisamos de energia eficiente e sustentável

Sabemos que a eletricidade de recursos renováveis é uma importante aliada no combate às mudanças climáticas e poluição do ar local.

A queima de combustíveis fósseis representa cerca de três quartos das emissões globais de gases de efeito estufa.

No Brasil, a falta de planejamento no setor elétrico reina e leva ao uso de usinas térmicas e geradores a diesel, que não só são extremamente poluentes, mas também mais caros, refletindo diretamente na conta de luz dos brasileiros.

A energia que polui e encarece os bolsos também deixa milhares sem luz e sem perspectivas.

Comunidades viram exemplos de energia limpa

Na Vila Restauração, uma reserva extrativista no Rio Juruá, no Acre, tem 750 moradores que hoje usam gerador a diesel para ter energia elétrica.

A Energisa está desenvolvendo um projeto no local que vai substituir o diesel caro e poluente pela energia solar e, ao mesmo tempo, garantir o suprimento contínuo de energia.

A unidade terá armazenamento em baterias e poderá ser operada à distância, além de contar com um sistema reserva à base de biodiesel.

Em comunidades ribeirinhas da Amazônia, placas solares vêm transformando a realidade. A energia limpa foi levada à região pelo programa Soluções Inovadoras, da Fundação Amazonas Sustentável.

Os geradores movidos a combustível foram substituídos pelas placas solares, o que resultou não só na economia financeira, mas em uma redução significativa dos impactos ambientais.

É mais do que hora de se pensar na população, na gestão e em mudanças. O nosso papel, como sociedade, é cobrar solução, responsabilidade e planejamento.

Junte-se a essa campanha. Precisamos exigir que seja traçado um plano de energia descentralizada renovável. A transição para uso de energia limpa precisa ser colocado em pauta. Já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Enquire here

Give us a call or fill in the form below and we'll contact you. We endeavor to answer all inquiries within 24 hours on business days.





    [honeypot honeypot-480]


    Licença Creative Commons
    Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.